Um sucesso assombroso

Por Pedro Ribeiro / Colunista

Muitos espetáculos já passaram pela Broadway, mas há um que viu todas as transformações que os últimos anos nos proporcionaram. Estamos falando de “O Fantasma da Ópera”, musical que recentemente completou uma carreira vitoriosa de mais de 3 décadas em cartaz na cidade de Nova York. Com uma história envolvendo música e uma paixão avassaladora, o espetáculo tornou-se sucesso de público e crítica que, mesmo depois de tanto tempo, ainda consegue encantar e emocionar as plateias mundo afora.

O musical é baseado no livro homônimo escrito por Gaston Leroux e teve toda a sua trilha sonora composta por Andrew Lloyd Webber, o mesmo compositor de Cats e Evita.  A peça conta a história de Erik, o fantasma do título, músico de rosto desfigurado que vive aprisionado nos porões da Ópera Popular de Paris e que se apaixona perdidamente por Christine Daaé, corista do teatro. Ele só não contava que ela reencontraria o seu antigo amigo Raoul e que os dois se apaixonariam, invocando a fúria do fantasma. Toda essa trama é embalada por músicas que se tornaram clássicos como “The Music of the Night” e “All I Ask of You”. Toda essa mistura vem se mostrando uma fórmula imbatível para emocionar mais de 140 milhões de pessoas em mais de 166 cidades ao redor do mundo.

O espetáculo iniciou carreira em 1986 no West End, em Londres e tinha no elenco original Michael Crawford como O Fantasma e Sarah Brightman como Christine Daaé. A peça logo tornou-se um sucesso tão grande que o álbum com a trilha sonora do musical foi o primeiro a constar, durante semanas, em primeiro lugar nas paradas de sucesso. Com o estouro, logo iniciaram as negociações para uma temporada em Nova York que teve Brightman e Crawford de volta aos papéis que os havia consagrado nos palcos londrinos.

Para contar uma história tão impactante com a mesma qualidade durante muitos anos, é necessária uma grande quantidade de equipamentos e profissionais atrás dos panos. Segundo o site oficial do espetáculo, 130 pessoas dentre atores, músicos e técnicos estão envolvidos todas as noites para que a plateia possa ter uma experiencia inesquecível. O lustre, um dos pontos altos do espetáculo, pesa 1 tonelada e sua queda ao final do primeiro ato pode ser perdida com uma piscada de olhos. A peça é um sucesso não só no palco, mas também nos números. Os lucros do show já superaram sucessos do cinema como ET, Avatar e Star Wars. O maior dos títulos veio em 2006 quando o espetáculo superou o musical Cats como o mais antigo musical em cartaz na Broadway, comprovando a importância dessa história na cultura pop mundial.

Em 2005, o espetáculo foi montado no Brasil para uma temporada em São Paulo no antigo Teatro Abril, atual Renault, com um elenco encabeçado por Saulo Vasconcellos e Sara Sarres. Pessoas do país inteiro se deslocaram a São Paulo, comprovando o poder que o teatro musical tem na economia, vide que em 2018, quando o espetáculo retornou ao Brasil, o sucesso foi ainda maior com a temporada estendida várias vezes, chegando a ficar mais de 1 ano em cartaz.

Desde 1988 foi a primeira vez, devido a pandemia do coronavírus e o fechamento da Broadway, que o musical saiu de cartaz. Porém, quando tudo aos poucos retornar, o fantasma mais uma vez estará lá e a música voltará a calar toda a escuridão.

Para sentir melhor a emoção do espetáculo, você pode acompanhar através do link abaixo a gravação do primeiro elenco brasileiro:

Imagem: Divulgação

* Pedro Ribeiro é estudante e possui curso de teatro musical com o diretor Charles Moeller.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: